"Nada parece impossível a alma que ama". (Santa Terezinha do Menino Jesus)

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Oração




Senhor Jesus, obrigada pela minha família, minha casa e minha vida!

Obrigada por estar comigo, mesmo quando sou infiel. Obrigada por nunca desistir de mim.

Obrigada por me acompanhar onde quer que eu vá.

Obrigada por me lembrar sempre que sou amada por Ti e que o Senhor quer que eu seja feliz. Que eu saiba enxergar seu Amor mesmo nas horas de escuridão e saiba segurar na Tua mão e não desviar do caminho.

Confio cegamente em Ti, pois Tu és o Meu Senhor e Meu Deus. Te amo com todas as forças do meu coração, pois na tribulação aprendi que do mal o Senhor me ajudou a tirar coisas boas que carrego para minha vida toda, o Senhor me consolou e não me abandonou. E aprendi que somente em Ti posso confiar sem me preocupar. Obrigada por cuidar de mim. Obrigada por abençoar a minha vida.

Adorado sejas Jesus!

Exaltado sejas para sempre meu Jesus!

Glorificado sejas Senhor!

Louvado sejas para sempre Senhor Jesus!

Eu te amo, te adoro, te bendigo, te exalto. Amém.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

MAGNIFICAT



"E Maria disse: Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus meu Salvador, porque olhou para sua pobre serva." (Lc 1,46b-47)

Encontramos no início do Magnificat toda a intensidade da oração, colocado nos lábios de Maria onde ela proclama algumas atitudes da vida de todo servo-intercessor.

Estando ainda no tempo pascal, vivamos esse mês mariano primeiramente orando diariamente o Magnificat e se possível o rosário, colocando para nossa Mãe e Rainha todos os benefícios que o Deus todo poderoso tem feito em nossas vidas. Primeiramente por ter sido canal da graça, aceitando ser a mãe de nosso Salvador e Senhor, segundo por agora ser nossa medianeira junto a seu filho único: JESUS CRISTO.

Por isso nossa alma deve glorificar o Senhor, bendizer e louvá-lo pelo que Ele fez e faz em nossas vidas. O Espírito Santo então produz em nós o fruto da alegria, que é totalmente diferente da alegria do mundo, pois com a vinda do Espírito, permanecemos no Senhor e com Ele mesmo nas adversidades da vida. Assim como Maria, testemunhamos que o todo poderoso fez, faz e continuará fazendo em nós maravilhas.

Nossa Alegria se encontra em Deus “A alegria de Deus é a vida do homem!

Que o Espírito Santo nos conduza nessa direção, para que assim como Maria sejamos cheios do Espírito Santo, exultantes e alegres, primeiro por saber que o chamado do Senhor não acontece por nossos méritos, mas é dom, graça de Deus. Segundo para que um Pentecostes aconteça em nossas vidas de tal modo que estejamos repletos para agirmos na vida pessoal, missionária e ministeriada de serviço, intercedendo por todos aqueles que necessitam, como ela fez nas bodas de Caná.

Que neste ano nosso Pentecostes seja mais mariano, ou seja, estejamos com ela no Cenáculo, aguardando o cumprimento da promessa do Pai, realizada após a ressurreição e ascensão de Jesus, pois Ele estando assentado à direita de Deus intercedendo por nós batiza-nos no Espírito Santo!

sábado, 28 de março de 2009

Quaresma: A busca de um homem novo


Quaresma, período de penitência e preparação para a festa mais importante da fé cristã, a Páscoa. Embora seja um tempo penitencial, não é triste e depressivo, como muitos pensam. Trata-se de um tempo especial de purificação e de renovação da vida cristã para poder participar em plenitude e com mais alegria do mistério pascal de Cristo.

Durante quarenta dias somos convidados à experiência do deserto vivido por Jesus na tentação. O deserto, apesar de nos trazer a figura do sofrimento e da penúria, remete-nos à esperança de renascermos para uma vida nova, assim como o povo de Israel que, após a libertação da escravidão no Egito, chegou à Terra Prometida.

A Quaresma nos chama à renovação, conversão e “morte ao pecado”, para que possamos ressurgir para uma vida nova com Cristo na sua Páscoa. As cinzas, recebidas no início da Quaresma, são usadas como sinal desse arrependimento e luto pelo pecado. Dessa forma, reconhecemos que somos todos igualmente pecadores e pedimos ao Senhor a graça da conversão, a fim de mudar nossa vida pessoal e social.

A Igreja recomenda aos cristãos três principais obras de misericórdia que, de modo especial na Quaresma, devem ser praticadas frequentemente: a oração, para o recolhimento e proximidade com Deus; o jejum, renúncia alegre do supérfluo, como forma de ser solidário com aqueles que não têm o necessário; e a esmola, não de forma mesquinha de quem dá o que sobra, mas no sentido bíblico de ter amor e compaixão pelos excluídos e injustiçados. Esses gestos não podem fazer parte do nosso cotidiano como um mero costume ou formalismo, pois acabariam perdendo seu real significado, o de serem um método a serviço da vida, uma forma de possibilitar o encontro do homem consigo mesmo, com Deus e com os outros irmãos.

Como diz o documento “Sacrosanctum Concilium”, do Concílio Vaticano II, “a penitência do tempo quaresmal não seja somente interna e individual, mas também externa e social.” (SC, 110) Por isso a Igreja no Brasil organiza todos os anos, durante o tempo da Quaresma, desde 1964, a Campanha da Fraternidade que focaliza um aspecto de nossa vida em sociedade em que a fraternidade não está sendo vivida, a fim de que, como cristãos, possamos contribuir para que a humanidade alcance este objetivo. Este ano, ela tem como tema “Fraternidade e segurança pública” e como lema “A paz é fruto da justiça”.

Por ocasião da Quaresma, são retirados das celebrações litúrgicas os cantos de Glória e de Aleluia, que manifestam alegria e regozijo para dar lugar a um clima de maior recolhimento e penitência. Pelo mesmo motivo, o ambiente das igrejas requer sobriedade e despojamento não se usando flores nem outros enfeites para orná-lo.

A Quaresma é um tempo privilegiado para intensificar o caminho da própria conversão. Esse caminho supõe cooperar com a graça, para dar morte ao homem velho que atua em nós. Trata-se de romper com o pecado que habita em nossos corações, afastando-nos de tudo aquilo que nos separa do Plano de Deus e, por conseguinte, de nossa felicidade e realização pessoal.

Reflitamos a palavra de Cristo que nos diz: “Não se coloca vinho novo em odres velhos; do contrário, os odres se rompem, o vinho se derrama e os odres se perdem. Coloca-se, porém, o vinho novo em odres novos, e assim tanto um como outro se conservam.” (Mt 9, 17) Portanto, para que a Páscoa seja vivida com toda a sua riqueza espiritual, a Quaresma deve ser vista como um meio de conversão, uma proposta de caminhada em busca do nascimento de um homem novo.

terça-feira, 10 de março de 2009

Shalom - A paz que é tão sonhada.



É interessante como o tempo todo nos percebemos em marcha à procura da Paz. Nossa história anda no compasso desta procura. Não precisa ir muito longe para confirmar este pressuposto; basta olharmos um pouco para nós mesmos, e percebermos quantas vezes sofremos uma espécie de divisão e guerra interior. É a condição humana revelando-se em seus limites de conflitos. É pensando nisso, e também a partir das reflexões da CF – 2009 que me permitir debruçar no seio da Paz e inclinar-me no seio da Shalom, a fim de colher dos seus ensinamentos.

Gosto sempre de explorar o universo das palavras, ainda que nos meus limites, porque acredito que elas nos possibilitam uma gama de significados acerca das coisas e do seu fim último. E, etimologicamente, por exemplo, o significado mais profundo do vocábulo “SHALOM” não é paz, como costumeiramente acreditamos. Shalom significa muito mais que a ausência de guerra, violência. Em hebraico a palavra Shalom tem sua raiz numa outra chamada “SHALEM” – que significa “estar inteiro”, completo. Isso é muito rico e revelador, porque a partir desta compreensão, concluímos que muitas pessoas não estão em paz, porque não estão inteiras, estão divididas “em si e entre si”. Para alcançarmos a paz em nossos espaços, lugares, no seio da nossa família e por conseguinte em toda humanidade, é preciso portanto, que cada um esteja “inteiro”.

É fascinante minha gente trilharmos os caminhos sugeridos a partir desta compreensão sobre a Shalom com a inteireza, porque os desdobramentos desta relação tem sua gênesis em Deus, já me explico: Verificamos nos textos Sagrados a tentativa humana de se estabelecer a paz, e ao mesmo tempo a incapacidade humana de conseguir e mantê-la. Deste modo, fica-nos evidenciado que a última garantia para a paz não reside tão somente em Instituições humanas, mas em Deus. Um exemplo disso encontramos no Profeta Isaías 54, 10 em que a promessa de Deus a seu povo é bem clara: "As montanhas podem desaparecer, os montes podem se desfazer, mas o meu Amor por você não acabará nunca, e a minha aliança de PAZ como você nunca será quebrada." Eis que a promessa se cumpre com o Messias, porque ainda segundo o Autor Sagrado, "Aquele que será enviado para nós será chamado Conselheiro Admirável, Deus Poderoso, Príncipe da Paz" ( Is 9, 6 ss).

Observemos que é do coração de Deus, portanto, que brota a verdadeira Paz, a Shalom esperada, isto é, a bonita possibilidade de nos tornamos inteiros em Deus, em nós mesmos e no outro. O cultivo deste broto se dá em Jesus, porque "Ele de fato é a nossa paz: do que era dividido, Ele fez uma unidade" (Ef 2, 14). E é bonito como Ele próprio, o Príncipe da Paz, nos convence disso ao afirmar com docilidade: "Deixo-vos com vocês a Paz. É a minha Paz que eu lhes dou; não lhes dou a Paz como o mundo a dá. Não fiquem aflitos, nem tenham medo" (Jo 14, 27). "Eu digo isso para que, por estarem unidos a mim, vocês tenham a Paz" (Jo, 16, 33 a).

Muito mais teriámos a refletir sobre a Shalom. A reflexão em Deus nunca sem esgota. A cada dia contemplamos novos horizontes. Todavia, de tudo isso resta-nos a certeza que precismos nos nutrir da Paz que está enraizada em Jesus; precisamos o tempo todo nos dispor dela e cultivá-la naqueles momentos em que ficamos fragmentados, divididos, separados, a fim de que em nós o "homem inteiro" se manifeste e "triunfe em nossos corações a Paz de Cristo, para a qual fomos chamados" (Cl 3, 15 a). Shalom!!!

domingo, 7 de dezembro de 2008

Floresça onde Deus te plantou...


Conta-se que um rei foi certa manhã ao seu jardim e encontrou as plantas murchando e morrendo. Perguntou ao carvalho que ficava junto ao portão o que significava aquilo.
Descobriu que a árvore estava cansada de viver porque não era alta e elegante como o pinheiro.
O pinheiro, por sua vez, estava desconsolado porque não produzia uvas como a videira.
A videira ia desistir da vida porque não podia ficar ereta e nem produzir frutos delicados como o pessegueiro.
O gerânio estava agastado porque não era alto e cheiroso como o lírio. O mesmo acontecia com todo o jardim.
Chegando-se ao amor-perfeito, encontrou sua corola brilhante e erguida alegremente como sempre.
- "Muito bem meu amor-perfeito, alegro-me de encontrar no meio de tanto desânimo uma florzinha corajosa e feliz. Você não parece nem um pouco desanimado".
- "Não, não estou! Eu não sou de muita importância, não sou grande nem forte, não tenho beleza ou perfume, mas apenas achei que se no meu lugar nosso Deus quisesse um enorme carvalho, um pinheiro, um pessegueiro ou um lírio, Ele teria plantado um deles; Mas sabendo que o Senhor Deus queria um amor-perfeito, estou resolvido a ser o melhor amor-perfeito que posso".

Nosso maior erro é querer ser como os outros.

Floresça onde você está plantado. Saiba que seja qual for a situação, circunstância, a condição ou o lugar em que se encontre, com a ajuda de Deus você pode se transformar em um lindo jardim.
Você começara a florescer desde o momento em que creia com fé que Deus não cometeu engano quando o pôs onde você está!

terça-feira, 28 de outubro de 2008

ORAÇÃO NA COMUNIDADE

“Perseveravam eles na doutrina dos apóstolos, nas reuniões em comum, na fração do pão e nas orações”. (At 2, 42)

a comunidade é o nosso tesouro, lugar dos servos do Senhor, por isso servo que não vai a missa, não deve exercer um ministério. Para que isso não pareça uma imposição, vamos entender o por quê desta afirmação. Primeiramente, os ministérios existem para a comunidade e não para o servo, já que eles são para a edificação da Igreja. Além disso, é a comunidade que atesta o ministério de cada um de nós. Isso significa dizer que o núcleo do grupo observou-nos, orou e obteve do Senhor a confirmação para que pudéssemos exercer o ministério e, ao fazê-lo, a comunidade colhesse frutos saborosos e autênticos.

É no Grupo, Cenáculo de Pentecostes, que acontece o batismo no Espírito Santo, e sem este não podemos servir como convêm. É promessa de Deus que se cumpre a cada semana, independentemente da atuação das pessoas. Uma só coisa é necessária: nosso coração aberto ao derramamento que se dá e às transformações que o Espírito Santo quer realizar em nós.

É orando em comunidade que recebemos o sustento e amor do irmão, que vamos perdendo o medo de servir e de proclamar as maravilhas do Senhor. É no grupo de oração que nos abastecemos para melhor exercermos o nosso chamado, já que a graça que é derramada no grupo se estende por toda a semana, inclusive para a reunião do grupo de intercessão. Quando se fala em reabastecer-se, significa dizer que devemos, como intercessores, participar do grupo de oração. No dia da reunião de oração é o Núcleo quem serve, inclusive na intercessão, pois ele é a célula principal do grupo de oração.

Estando presente nele, podemos conhecer melhor as necessidades tanto do grupo, quanto das pessoas que ali vão e levar para ao grupo de intercessão, onde na presença do Senhor, clamaremos por essas necessidades e O louvaremos por tudo o que deseja realizar.

O QUE IMPORTA É PROSSEGUIR DECIDIDAMENTE

“Contudo, seja qual for o grau a que chegamos, o quê importa é prosseguir decididamente” (Fl 3, 16)

O Senhor tem o desejo de reunir o seu rebanho. Aquelas ovelhas que Ele chamou para ajudar no seu aprisco. Não podemos esquecer que somos pastores, mas também ovelhas. Somos servos, mas também precisamos de cuidados.

Somos, por isso, convocados a ir ao Encontro de Coordenadores e Ministérios que acontecerá neste mês em Brasília – DF. Esse é o lugar onde Deus deseja reunir suas ovelhas para que possa realizar suas promessas para o nosso ministério. É lugar de partilha, aperfeiçoamento, aprendizagem, onde seremos sustentados por Deus e pelos irmãos que vivenciam experiências como as nossas, passando por problemas e tendo anseios semelhantes.

É lugar de a graça de Deus acontecer, pois quando os seus intercessores se reúnem, Ele os leva a oração e à manifestação do seu poder, tornando possível contemplarmos prodígios e milagres que há muito deseja realizar.

Deus nos pede neste início de ano, que prossigamos decididamente, e isso significa que não podemos nos acomodar achando que já sabemos tudo ou que já não há mais nada a aprender, pois o Espírito Santo faz novas todas as coisas. E Ele deseja fazer novos, a nossa vida, o nosso ministério e a nossa oração.